Empresa brasileira produz colágeno vegano por Bioimpressão 3D

O colágeno é uma proteína fibrosa, produzida por fibroblastos. É comumente encontrado em mamíferos, compondo de 25-30% da quantidade total de proteínas do animal. Atualmente, são conhecidos mais de 30 tipos de colágeno, sendo o tipo I o mais comum. Ele está presente nos tendões, na cartilagem fibrosa, no tecido conjuntivo, nos ossos e peles. Suas fibras grossas são responsáveis por fornecer resistência, coesão e elasticidade à pele e aos tendões.


Devido as suas propriedades, o colágeno é amplamente utilizado nos setores cosméticos, farmacêuticos, biomédicos e até mesmo alimentício! Podendo atuar como agente rejuvenescedor, carreador de fármacos, aplicado no tratamento de doenças vasculares, oculares e no tratamento e prevenção de doenças como artrose e osteoporose.


Atualmente, a principal fonte de extração comercial de colágeno é proveniente de origem animal, podendo ser extraído de tendões bovinos e cauda de ratos. No entanto, essa extração é laboriosa, cara, apresenta risco de contaminação, detém baixo rendimento e contribui para o abate de animais. Logo, soluções mais sustentáveis, que consigam produzir em larga escala o que muitos consideram como "uma das principais biomoléculas do anti envelhecimento", começam a ser demandadas.


E é dentro desse contexto que a Quantis, uma empresa 100% brasileira, surge. Inconformada com os métodos tradicionais poucos sustentáveis e de baixo rendimento para a extração de colágeno, a empresária doutora e geneticista Janaína Dernowsek, em conjunto com o Diogo Dutra, fundaram a Quantis. A empresa, fundada em 2020, já possui uma patente depositada para o que ficou denominado como "O método Quantis".


A primeira do seu tipo, Quantis se consolida no mercado por trazer a Bioimpressão 3D e a Engenharia genética como ferramentas para a produção em larga escala de moléculas bioidênticas as humanas, sem que seja preciso o abate de nenhum animal!

Plataforma QuantunTissue sendo produzida com uma Bioimpressora Bioender [Fonte: Quantis.bio] - [Estrutura laboratorial - Open Lab do Biotechtown]

Um dos principais insumos produzidos é o colágeno do tipo I ultrapuro bioidêntico ao humano, que pode ser aplicável inicialmente à indústria de preenchedores dérmicos mas também é expansível para outras aplicações, como a medicina regenerativa humana e veterinária!


Confira abaixo o processo de Bioimpressão desenvolvido pela empresa:

Método Quantis de Bioimpressão sendo feita por uma bioimpressora Bioender, desenvolvida pela Bioedtech [Fonte: Quantis.bio] - [Estrutura laboratorial - Open Lab do Biotechtown]


E como a Bioimpressão se encaixa em tudo isso?

Vem conferir nessa entrevista exclusiva que a Bioedtech fez com a Coordenadora de Gestão da Qualidade, Daniela Tiepo:


Bioedtech: Você poderia explicar um pouco do trabalho desenvolvido pela Quantis?

Daniela: Aqui na Quantis, nós desenvolvemos um processo de biofabricação de matriz extracelular humana, sem utilizar nenhum insumo de origem animal. Nós chamamos essa plataforma de QuantunTissue, e ela consiste na Bioimpressão de uma biotinta contendo os fibroblastos. Esse construído bioimpresso, composto então pelos fibroblastos, consegue expressar uma maior quantidade tanto de colágeno quanto de outras proteínas da matriz extracelular humana.


Bioedtech: E qual a motivação para desenvolver essa plataforma?

Daniela: Atualmente, há uma crescente demanda dos setores de dermocosméticos, de regeneração tecidual, regeneração articular por uma solução que de fato proporcione/estimule a volta do colágeno naquele local. Hoje em dia, existe o ácido hialurônico mas ele só serve como um preenchedor, não tendo nenhuma propriedade de regeneração. Então, a Quantis atua nessa dor de mercado, onde nós temos o objetivo de nos tornarmos o principal produtor de colágeno para os mais diversos setores, desde pesquisa e desenvolvimento, para a área de dermocosméticos e até mesmo para a área ortopédica visando as lesões articulares.


Bioedtech: Você poderia explicar um pouco mais sobre a importância do colágeno?

Daniela: O colágeno é a principal proteína do corpo humano. Ele auxilia na estruturação da nossa pele e com o passar dos anos nós vamos tendo uma perda dessa proteína. Não existe um modo de repô-la hoje em dia. As soluções em forma de cápsula, por exemplo, não são completamente absorvidas pelo nosso organismo, então o nosso objetivo é trazer essa proteína de forma injetável para promover a regeneração funcional da área de interesse.


Bioedtech: Como a solução da Quantis se difere das demais do mercado, já existem produtos similares?

Daniela: Embora existam plataformas atualmente capazes de extraírem colágeno e outras proteínas de matriz extracelular, muitas delas ainda utilizam insumos de origem animal e enzimas e/ou moléculas tóxicas. Na Quantis, nós propomos um produto "vegano" ou seja, produzido de forma natural, por células humanas, os fibroblastos. Além disso, o nosso diferencial também consiste na tecnologia que utilizamos para cultivar as células e biomateriais, que é utilizando a Bioimpressora. Por meio da bioimpressão, nós conseguimos otimizar e escalonar o nosso processo!


Bioedtech: E como a Bioimpressão entra nesse cenário?

Daniela: Nós utilizamos a Bioimpressão para a construção da nossa plataforma QuantunTissue. Ou seja, através da Bioimpressão nós geramos esse construído que é composto de: Fibroblastos, indutores de expressão de colágeno e biomateriais. Esse construído atua como um biorreator, onde as células (fibroblastos) conseguem expressar as nossas proteínas de interesse, de forma natural, sem precisarmos usar animais e com alto rendimento.


Bioedtech: Mas por que utilizar a Bioimpressora e não outro método?

Daniela: Porque nós já sabemos que os métodos tradicionais de cultivo celular não são fisiologicamente representativos. Ao utilizar uma Bioimpressora, é possível construirmos os nossos QuantunTissues de forma que melhor se assemelhe com o ambiente in vivo, condicionando as células em um ambiente mais biomimético.


Bioedtech: O que você espera que a tecnologia desenvolvida pela Quantis agregue na vida das pessoas?

Daniela: Essa é uma tecnologia revolucionária e única. Atualmente, ainda não existe comercializada nenhuma solução que seja 100% animal-free, que não possua nenhuma substância de origem animal e que proporcione uma solução de matriz extracelular e colagênica fibrilar completa. Então, no sentido da sociedade, será muito importante porque primeiro que será um produto mais acessível e, comparativamente ao ácido hialurônico, esperamos que o nosso produto seja mais eficiente, não tendo somente o caráter de preenchedor mas também de bioestimulador. Nesse cenário atual, onde a população mundial tem envelhecido mais a medida que a expectativa de vida aumenta, e que injúrias que acometem o tecido cartilaginoso tendem a ser mais prevalentes, a nossa solução busca melhorar a qualidade de vida dessas pessoas! Podendo também ser expandida para a área de cicatrização da pele.


Bioedtech: Além dessas áreas, você vislumbra outro tipo de utilização dessas proteínas produzidas pela Quantis ?

Daniela: Dentro do campo da Bioimpressão, a nossa solução também pode ser utilizada como biotintas otimizadas, visando a Biofabricação de tecidos e órgãos futuramente. Isto porque, a nossa solução já contém as proteínas biomiméticas de matriz extracelular e poderia ser utilizada como um bioestimulador auxiliando na biofabricação do tecido-alvo. Por ser uma biotinta natural, não haveria risco de rejeição ou contaminação, podendo ser então uma ferramenta também para a bioimpressão de órgãos!!


Modelo Bioender, desenvolvido pela Bioedtech sendo utilizado pela empresa Quantis [Fonte: Quantis.bio] - [Estrutura laboratorial - Open Lab do Biotechtown]


O modelo de Bioimpressora utilizada no estudo:


Você sabia que o modelo de Bioimpressora utilizada pela empresa Quantis foi desenvolvida pela Bioedtech? Chamada de Bioender, essa máquina caracteriza-se por ser uma Bioimpressora de extrusão simples. O seu tamanho compacto e sua interface amigável colaboram para que pessoas com diferentes backgrounds e que nunca tiveram experiência na área de Bioimpressão possam utilizá-la sem medo!

Atualmente, esse é o modelo mais vendido da Bioedtech, já tendo participado dos mais diferentes projetos, desde engenharia tecidual, a cosméticos, para a área farmacêutica e alimentícia também! Ela também se diferencia por ser um dos modelos mais baratos de todo o mercado brasileiro!

Ficou curioso e quer uma cotação? Visite a aba Bioimpressoras para conhecer mais sobre o modelo ou entrar em contato conosco pelo formulário da página!


 

Conheça mais sobre a Daniela Tiepo:

Daniela Tiepo Gomes é engenheira biomédica formada pela Universidade Franciscana, com mobilidade academica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Atualmente cursa MBA em Engenharia da Qualidade e Produtividade – Green Belt, no Centro Universitário Internacional (UNINTER). Na Quantis, atua como Coordenadora de Gestão da Qualidade, contribuindo com os setores de Produção e P&D, para a otimização e melhoramento dos processos desenvolvidos.

155 visualizações0 comentário