BIOIMPRESSORA PORTÁTIL PARA A BIOIMPRESSÃO EM TEMPO REAL DE LESÕES MUSCULARES EXTENSAS

O músculo esquelético é essencial para a vida. Ele é necessário para nos movimentarmos, mantermos a temperatura corporal, proteger o nosso esqueleto e órgãos internos, assim como para manter a homeostasia da glicose. Apesar do músculo possuir determinada capacidade de regeneração, quando uma grande proporção de massa muscular é perdida, devido a algum trauma, a sua capacidade regenerativa é seriamente prejudicada. Essas lesões geram desconforto ao paciente, perda de função além de ocasionar gastos exorbitantes para o sistema de saúde mundial.


Como solução para esse problema, pesquisadores das Universidades do Nebraska, Connecticut e Brigham and Women’s Hospital desenvolveram uma bioimpressora portátil que deposita biotintas específicas para regeneração muscular (Figura 1). A biotinta muscular é composta de um hidrogel de metacrilato de gelatina (GelMa) com VEGF (fator chave para indução da angiogênese) anexado a discos de nanoargila. Essa biotinta demonstrou ser biocompatível, adesiva em tecidos úmidos, mecanicamente estável e fotopolimerizável in vivo.


Figura 1. Bioimpressão in vivo [Adaptado de Quint et al., 2021]


A biotinta muscular é aplicada carregando-a em uma nova bimpressora portátil, composta por uma seringa carregável, uma bomba de seringa controlada por motor e um diodo emissor de luz ultravioleta para reticulação de hidrogel in vivo e em tempo real.

A bioimpressora pode ser utilizada por médicos de forma similar a uma pistola de cola quente, aplicando o hidrogel diretamente nas feridas musculares extensas (Figura 2).


Figura 2. Bioimpressora portátil [Adaptado de Quint et al., 2021]



A bioimpressão direta in vivo foi feita utilizando modelos murinos como cobaia e sua eficácia foi avaliada. Os animais foram submetidos a lesões musculares no quadríceps e, após uma recuperação de oito semanas, os animais foram testados quanto à função de corrida. Quando comparado ao grupo de cobaias que receberam somente o hidrogel (GelMa), o grupo que recebeu a biotinta muscular apresentou melhor performance funcional, possuindo melhor mobilidade e resistência a corrida.


Esses resultados são importantes pois indicam três fatores principais: (I) a biotinta foi biocompatível, (II) houve a regeneração de uma área extensa e (III) o tecido regenerado foi capaz de suportar estresse mecânico, como ocorre no tecido nativo.

A metodologia descrita neste trabalho - bioimpressão direta in vivo, utilizando essa biotinta muscular - abre portas para a regeneração de diversos outros tecidos moles (soft tissues), de forma mais rápida, eficaz e devolvendo a mobilidade do tecido que antes havia sido prejudicado.


Gostou dessa novidade e quer saber muito mais sobre as possibilidades da Bioimpressão 3D? Se inscreva para participar do nosso BOOTCAMP 3D em Biofabricação exclusivo! Um plano semestral de conhecimentos em biofabricação 3D imersivo, com práticas on-line e kit com bioimpressora. Não fique fora dessa oportunidade!




REFERÊNCIA

QUINT, Jacob P.; MOSTAFAVI, Azadeh; ENDO, Yori; PANAYI, Adriana; RUSSELL, Carina S.; NOURMAHNAD, Atousa; WISEMAN, Chris; ABBASI, Laleh; SAMANDARI, Mohamadmahdi; SHEIKHI, Amir. In Vivo Printing of Nanoenabled Scaffolds for the Treatment of Skeletal Muscle Injuries. Advanced Healthcare Materials, [S.L.], p. 2002152-60, 28 fev. 2021. Wiley. http://dx.doi.org/10.1002/adhm.202002152.


148 visualizações0 comentário